A PALAVRA DO FUNDADOR

                 LÁZARO, SAI PARA FORA!                  
por: Pe. Tarcísio Avelino


A Liturgia de hoje encerra o ciclo de catequese batismal que se iniciou
no Terceiro domingo da Quaresma com o tema JESUS ÁGUA PARA NOSSA SEDE, passando pelo Quarto domingo com o tema: JESUS LUZ PARA NOSSOS OLHOS culminando com este Quinto domingo com o tema: JESUS VIDA PLENA PARA NOSSA VIDA, sendo que a liturgia de hoje, traz, antecipadamente, todo o sentido da Páscoa que estamos para celebrar.
De fato, o título desta postagem expressa o grito de um DEUS QUE É AMOR, que, desde a queda original, ansiava pela chegada da PLENITUDE DOS TEMPOS, quando a humanidade já estaria madura, e todas as condições já estavam favoráveis à ENCARNAÇÃO DO VERBO. O Pai ansiava por fazer, através de Seu Filho, ecoar este brado que expressa todo Seu desejo por ver livres os filhos que criara à Sua imagem e semelhança.
"Lázaro, sai para fora!", como Lázaro é figura de todo crente em Jesus, cada um de nós deveria colocar o seu próprio nome neste brado de Jesus, "Tarcísio, sai para fora!" deste seu desânimo, da prisão de seus medos e compléxos, sai para fora da prisão das trevas para a luz, da morte para a vida. Eis o significado do mistério pascal que em breve estaremos celebrando: passagem da morte para a vida.
É por isso que desde o princípio A Igreja tomou o tempo pascal como tempo privilegiado para a celebração do Batismo, uma vez que é por este sacramento, que cada filho de Deus, passa, com Cristo, da morte do pecado, para a vida, ressuscita com Cristo para a vida eterna, cuja semente é plantada em nós pelo Espírito Santo, que, desde já nos faz experimentar uma vida nova, abundante, cheia de paz e de luz, mesmo em meio aos nossos problemas.
Os ossos ressequidos citados na primeira leitura, que passaram a fazer parte novamente daqueles que os possuíam em vida, pelo sopro do Espírito Divino, são imagem de todos aqueles que, ao longo dos séculos, pelo Batismo, seriam configurados com Cristo em Sua morte (representada pelo mergulho nas águas no dia do nosso Batismo) e ressurreição (representada, no batismo, pelo emergir das águas que purificam de toda imundície, como o Batismo nos purifica de todo pecado).
"Sai para fora!", é o grito de um Deus que não suporta ver nenhum de Seus filhos prisioneiros de nenhum vício, por isso, uma vez que Cristo assume sobre si as conseqüências de nossos pecados, Ele pode dizer: "desatai-o e deixai-o ir!", porque, como lemos na segunda leitura: "vós não viveis segundo a carne,mas segundo o Espírito que em vós habita", ora, se o Espírito que em nós passou a habitar no dia de nosso Batismo é O Espírito de Liberdade, então somos verdadeiramente livres, e, se Cristo assumiu sobre si a raiz de todas as nossas escravidões, prisões e vícios, então, não podemos mais viver como que amarrados pelas ataduras da morte que nos paralisa.
A sepultura na qual jazia Lázaro é símbolo do que acontece conosco depois do pecado, ficamos paralizados e prisioneiros das trevas, incapaz de viver nossa condição de caminhantes neste mundo que a Quaresma nos faz lembrar, recordando os 40 anos que o povo de Deus caminhou no deserto, antes que pudessem ingressar na terra prometida, símbolo do Céu para onde caminhamos durante nossa vida terrena. Mas o Céu é Deus, e "Deus é um fogo devorador" (Hb.12,29), com o qual só poderá habitar quem em fogo tiver se transforamdo, fogo de amor, que nos envolve sem nos consumir, simbolizado pela sarça ardente que  que ardia sem se consumir.(Ex.3,2). Portanto, o brado de Jesus: "desatai-o e deixai-o ir", expressa o desejo ardente de Deus, no sentido de que nós, pelo poder da pregação da SUA PALAVRA VIVA E EFICAZ, façamos chegar a luz da fé  a todos que jazem nas trevas do pecado, prisioneiros das ataduras de seus vícios e os ressuscitemos para a vida abundante de alegria e de paz que só Cristo pode nos dar porque Ele é o único que assim se apresentou: "EU SOU A RESSURREIÇÃO E A VIDA. QUEM CRÊ EM MIM, MESMO QUE MORRA VIVERÁ". Por isso Cristo esperou 2 dias antes de ir ressuscitar o seu amigo, para que, completando 4 dias, ou seja, mais do que três, que é o tempo em que se acreditava a alma do defunto se retirava de perto dele e que, os cadáveres embalasamados, como era o costume, começavam a entrar em decomposição; Com isso Nosso Senhor mostra o seu domínio absoluto sobre as leis que Ele mesmo criou. Mostra que é O SENHOR DA MORTE E DA VIDA.
O chôro de Jesus por Seu amigo Lázaro, expressa o sofrimento, por assim dizer, de Deus, toda vez que um filho Seu se torna vítima da conseqüência última do pecado, a morte. Mas a sua ressurreião é para todo o que n'Ele crê, portanto, a Sua vitória, já é a nossa vitória.
Deus abençoe a todos e um fraterno abraço, Pe. Tarcísio Avelino


6 comentários:

  1. Domingo, dia que deveria ser dedicado ao Senhor, dia de meditação da semana que passou e renovação do compromisso para a nova semana que se inicia. Esse domingo o evangelho nos convida a sermos futuros Lázaros, fiéis cristãos no amor a Jesus Cristo merecedores da ressurreição. Preparemo-nos então, sem desanimar,pois as dificuldades são para nosso fortalecimento e amadurecimento na fé. Fiquem todos com Deus.

    ResponderExcluir
  2. DEUS NA SUA INFINITA MISERICÓRDIA NOS CONVIDA A FAZER PARTE DA RESSURREIÇÃO DE JESUS CRISTO. PEÇAMOS A DEUS QUE NOS CONCEDA A SUA GRAÇA DE PERMANECERMOS FIRMES NA FÉ E QUE MUITAS ALMAS SE ABRAM AO AMOR DE DEUS, POIS DEUS NÃO QUER PERDER NENHUMA ALMA.

    ResponderExcluir
  3. DEVEMOS FAZER O MÁXIMO PARA DEUS PARA MERECERMOS O MÁXIMO DE DEUS: A RESSURREIÇÃO.

    ResponderExcluir
  4. Jo 11,1-45: “─ Lázaro, vem para fora! O morto saiu, com as mãos e os pés amarrados com faixas e um pano em volta do rosto. Jesus, então, disse-lhes: ─ Desamarrai-o e deixai-o ir!”Nesta passagem do evangelho de João, chama nossa atenção a profunda humanidade de Jesus e seu poder divino. Jesus é todo igual a nós. Tinha amigos e amigas que amava ternamente. Partilhou intensamente da dor de Marta e Maria. Chorou com elas a morte do irmão, deixou que as lágrimas lhe corressem pelo rosto. Comoveu-se tanto que todos notaram quanto sentia a morte de Lázaro. Não podemos duvidar, ele é um dos nossos. Isso, porém, não nos bastaria. Não precisamos apenas de um companheiro de humanidade, de um amigo capaz de chorar conosco. Precisamos de um salvador que nos possa devolver à vida. Vendo Jesus fazer Lázaro voltar da morte para a vida, sabemos que não estamos diante de um simples homem, de um simples amigo. Ele é Deus.

    ResponderExcluir
  5. Oração: Senhor Jesus, alegro-me ao ver que quisestes viver a nossa vida, com nossas alegrias e sofrimentos, nossos trabalhos e descansos, nossas amizades e nosso jeito de amar. Agradeço vossa presença entre nós, porque assim nos ajudais a dar valor a toda a nossa vida. Mais ainda me alegro porque sois o Filho de Deus, capaz de me transformar e livrar do mal. Creio em vossa divindade, entrego-me todo a vós, confio plenamente em vosso poder e em vosso amor. Libertai-me da morte do pecado, fazei-me viver plenamente da vida nova que me ofereceis. Confio em vós e de vós espero a ressurreição final quando, depois desta vida passageira, poderei viver para sempre em plenitude, na felicidade, na alegria, na paz convosco e com todos os meus irmãos. Amém.

    ResponderExcluir