DOMINGO DA SAGRADA FAMÍLIA
 
FAMÍLIA, UMA ESCOLA DE ADMISSÃO AO CÉU

POR: PE. Tarcísio Avelino, TF

Não podia ser diferente. Convém que seja dentro do tempo do natal que celebremos o dia da Sagrada Família, porque, diante do presépio, depois de nos demorarmos na contemplação do Menino-Deus nossos olhos se voltam imediatamente para o contexto da cena e nos deparamos logo com a presença de Maria e de José e nos damos conta de que o centro do presépio é formado de tres pessoas e não é dificil, lembrando que este menino é a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, intuir que Ele é o Elo de ligação entre a Trindade do Céu e a Trindade da terra. Se prosseguimos em nossa meditação logo chegamos a conclusão que se Deus escolheu uma família para vir até nós Ele quer que vamos a Ele por meio de uma família. Isso é o que nos ensinam as leituras da Liturgia de hoje na qual o exemplo de Jesus nos mostra que, embora Ele ordene em Seus mandamentos que honremos pai e mãe, como lemos na primeira e segunda leituras, quando se trata dos interesses de Deus nada podemos antepôr à Sua Santíssima Vontade.
"Porque me procuráveis? Não sabíeis que devo me ocupar das coisas de meu Pai? Obedecer e honrar aos pais sim, mas quando as preocupações humanas de nossos pais, como a de Maria e José, pela nossa segurança, bem-estar e proteção se antepõe à Vontade de Deus, muitas vezes temos que romper com nossos pais e família para seguirmos nossa vocação. Quantos pais viraram a cara para seus filhos quando estes, atingindo a maioridade, se decidem a partir para o seminário ou para o convento! Isso não quer dizer que o filho desobedeceu os pais, porque a honra e a obediencia que lhes prestamos é por causa da autoridade e missão que Deus lhes confiou de nos conduzir ao cumprimento de Sua Santíssima Vontade!!!
As únicas coisase que se dizem de Jesus desde seu nascimento até até o início de Sua vida pública é de sua Apresentação ao templo quando se completaram oito dias e este fato de sua perda e reencontro no templo onde aparece a única frase por Ele dita neste período de Sua infância, adolescência e juventude: "Porque me procuráveis? Não sabíeis que eu devo me ocupar das coisas de Meu Pai?" ou em outras traduções: "que eu devo estar na casa de Meu Pai" que dá no mesmo pois estar na casa do pai é o mesmo que estar no Pai, estar em Deus, estar no Céu, para o que se exige ocupar-se das coisas do Pai, ou seja, viver para fazer a Vontade do Pai.
Assim, a lição que nos dá a Sagrada Família é justamente a lição da submissão, a lição da obediência: "era-lhes obediente". Essa é a frase que resume 90 por cento da vida de Cristo enquanto esteve encarnado entre nós. Justamente para nos dizer que se foi pela desobediência que o mal e toda desordem entrou no mundo, é pela obediência que voltamos à comunhão com Deus. É por isso que a segunda leitura recomenda a solicitude e submissão mútua na comunidade e principalmente no seio da família e é por isso também que a primeira leitura cerca de tantas promessas a obediencia ao mandamento de honrar pai e mãe.
De fato o mandamento de honrar pai e mãe é o único mandamento seguido de promessas, 7 para sermos mais precisos conforme lemos na Primeira Leitura extraida do livro do Eclesiástico 3,3-14: pela obediencia a este mandamento:1. se alcança o perdão dos pecados,2. Se evita cometer novos pecados,3. se ajunta tesouros, ou seja, méritos para o Céu,4.terá alegria com seus próprios filhos,5. terá sua oração atendida no dia em que orar,6. terá vida longa, ou seja, a vida que nao tem fim, a vida eterna, e finalmente, 7. "A caridade prestada a teu pai servirá para reparar os teus pecados". Meu Deus! Porque tantas promessas cercando este único, dentre todos os dez Mandamentos? Justamente porque a família é a Escola para o céu, é nela, em primeiro lugar que se recebe o amor que nos capacita a amar, e só poderá habitar em Deus quem souber amar porque Deus é amor!
Se amar é servir, então se entende porque a família se reveste de tanta importância no plano divino de nossa salvação, porque Deus é Comunidade de A mor na qual As Tres pessoas se dão inteiramente umas as outras.
Celebrar a Sagrada Família é aprender a lição de que Cristo veio a nós por meio de uma família para nos ensinar a viver na família que é Deus.
"E era-lhes obediente" eis a frase que resume todos os trinta dos trinta e tres anos da vida do Verbo de Deus quando esteve encarnado entre nós para nos ensinar no seio da Sagrada Família que se foi pela desobediencia que entrou o mal e a desordem no mundo é pela obediência que reencontraremos a paz e a felicidade; se foi pela desobediência que o homem rompeu com Deus é pela obediência que se retorna a Deus, e isso aprendemos no seio de uma família porque se se obedece verdadeiramente, quem ama, e o amor para se obedecer se recebe e se aprende no seio da família.
É por isso que satanás tem tanto ódio da família. Nunca ela foi tão atacada e vilipendiada como agora por isso nunca foi tão urgente defender a família e sua honra como agora!! Um gesto concreto para isso seria banir de nossos lares as novelas, principalmente de certas emissoras que vão, pouco a pouco, minando de nossa mente os verdadeiros valores de respeito, obediencia e fidelidade, principalmente de perenidade do vínculo matrimonial tão necessário para o equilíbrio psicológico de nossos filhos e, consequentemente da sociedade!! Porque temos que nos assustar quando vemos seres humanos transformados em verdadeiros monstros capazes de matar centenas de crianças numa escola, de matar, com requintes de crueldade seus próprios pais, filhos e esposa? Porque não nos importamos quando entram em nossas casas músicas e novelas, cenas da internet que degradam a família, célula-mãe da Igreja e da sociedade! É preciso nos unirmos a tantos abaix-assinados e movimentos que tentam impedir a aprovação de leis iniquas que ameaçam nossas famílias como por exemplo, a aprovação de casamentos contra a natureza criada por Deus. Nunca podemos desprezar a ninguém, mas nunca devemos aceitar os atos e atitudes daqueles que desprezam a Deus e a Seus mandamentos que se resumem numa ordem: SEJAM FELIZES!

IV DOMINGO DO ADVENTO C

ELE MESMO SERÁ A PAZ
 

POR: PE. TARCISIO AVELINO

A Liturgia de hoje nos apresenta no encontro de Maria com sua prima Isabel o fato da proximidade que nos separa do natal dO Filho de Deus entre nós. No encontro destas duas mães miraculadas vemos tres coisas: Primeiro, o encontro da humanidade que, desde Adão e Eva busca desesperadamente a Deus quando, sem o saber, buscam fora dele a felicidade e a paz, que a primeira leitura afirma ser o próprio Deus Encarnado. De fato, se tomarmos como ausencia de paz a palavra conflito, guerra ou desavença ou desarmonia, vemos que Deus se encarnou justamente para sofrer em si as consequencias de nosso pecado, pelo que, a Segunda leitura afirma que Deus não se agradou do sacrifício de animais por isso se Encarnou: "Tu não quizeste vítima nem oferenda mas formastes me um corpo", porque o sacrifício de animais ofertadas a Deus não era capaz de restabelecer a harmonia que a ruptura com Deus pelo pecado causou não só no interior do homem e da humanidade como também em toda criação, só havia um jeito de restabelecer esta harmonia, O Próprio Deus se inclinar sobre os homens e nos dar Seu perdão. Foi o que Ele fez assumindo nossa carne no ventre de Maria para pagar em nosso lugar o salário do pecado, que é a morte, como Deus não pode morrer pois é eterno, entrou no tempo, e assumiu nossa condição humana para morrer em nosso lugar, já que, sendo Deus justo, e justiça consiste em dar a cada um o que lhe é devido, fundamento da paz, Deus se fez homem para poder dar a satanás o que lhe era devido por causa de nossos pecados, o direito de fazer morrer os filhos de Deus que a ele haviam aderido, por não poder fazer morrer o próprio Deus do qual se separara desde o princípio, por livre e espontanea vontade.

O segundo significado que podemos tomar no Encontro de Maria com Isabel é o encontro da Igreja com Seu esposo, uma vez que os passos que Isabel e Maria deram uma em direção a outra representam os passos que a Igreja dá todos os dias até a eternidade de alegria sem fim e os passos de um Deus apaixonado que desde o início da criação toma sempre a iniciativa de vir ao nosso encontro.

E finalmente podemos ver no encontro de Maria com Isabel, o encontro do Novo Testamento que Cristo vem inaugurar, com o Antigo no qual João está na fronteira, como último e mais feliz de todos os profetas, único que teve a felicidade de apontar com o dedo O Esperado de todos os tempos, predito por todos os profetas.

"Como posso merecer que a Mãe do Meu Senhor venha me visitar? Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos a criança pulou de alegria no meu ventre". Com certeza Zacarias deve ter contato a Isabel, por meio de sinais ou escrita, a profecia que o Anjo lhe dera a respeito de que seu filho prepararia para O Senhor um povo bem disposto e que seria cheio do Espírito Santo desde o ventre materno" por isso a expressão mãe do meu Senhor revela o conhecimento que Isabel, como esposa de um sacerdote detinha que O Messias quando viesse, batizaria com o Espírito Santo.

"Ele mesmo será a nossa paz" porque sofrendo em si as consequencias de nossos pecados "destruiu o muro que nos separava de Deus" e, ao nos reconciliar com O Pai, e conosco mesmos, religou-nos Ao nosso Princípio e fundamento restituindo a harmonia na humanidade e na criação, preenchendo o vazio que o pecado deixara no coração do homem que só Deus poderia preencher impedindo-nos de coisificar as pessoas e de depredar a natureza que nos fora dada para a dominarmos, pela tentativa desenfreada que o pecado causou de tentar preencher o com coisas o pessoas o Lugar de Deus.
III DOMINGO DO ADVENTO
O SENHOR ESTÁ PRÓXIMO
por: PE. TARCISIO Avelino
 
A Liturgia de hoje nos exorta à alegria nas duas primeiras leituras e esse é o motivo pelo qual hoje é chamado DOMINGO DA ALEGRIA, "porque o Senhor está perto". É realmente uma ordem que nos dá a segunda leitura, por este motivo. "Alegrai-vos SEMPRE no Senhor" e essa palavra "sempre", só é possível se fôr uma alegria no Senhor. Ou seja, por saber que Ele está perto não só porque se aproxima o dia do Seu Natal, como também por Ele estar presente na Sua Igreja, nos Sacramentos, na pessoa dos irmãos e nos ministros sagrados mas principalmente porque a cada dia que passa se aproxima o dia em que o Senhor voltará para, como diz S. João Batista no Evangelho, com sua pá recolher o trigo no celeiro e jogar as palhas no fogo do inferno. Essa palha é tudo aquilo que não é fruto, só vai entrar no fogo do Espírito Santo, que é o fogo do amor, quem tiver produzido frutos do amor, que se traduz em serviço ao próximo, por amor a Deus e ao próximo.
O Evangelho de hoje mostra tres categorias de pessoas perguntando a mesm coisa para João, as multidões, os cobradores de impostos e os soldados: "o que devemos fazer?" Essa é a pergunta que deve brotar expontaneamente de cada coração que escuta a mensagem de conversão que João vem anunciar para nos preparar para a vinda do Senhor, o que devemos fazer? Foi a mesma pergunta que fizeram as multidões que ouviram a pregação de Pedro no Cenáculo no dia de Pentecostes, e é interessante que todas as respostas de João foi no sentido do uso dos bens materiais, pedindo que não só não lesemos a ninguém, como também que aprendamos a nos contentar com aquilo que temos, pois a Bíblia diz que o amor ao dinheiro é causa de toda espécie de males (ITm.2,6) justamente é o dinheiro que alimenta nosso orgulho de querer ser como Deus, que consistiu no pecado original, raiz de todos os males.
O que devemos fazer? Essa pergunta brotou quando aquela multidão que procurava João viu a sua maneira santa e penitente de viver, ele falava aquilo que vivia. Essa deve ser a nossa atitude para que possamos nos alegrar pela lembrança de que O Senhor está próximo, dentro de nós!!! Ora, se a fonte de toda alegria está dentro de mim porque vou me entristecer pelas circunstancias, se são sempre passageiras? Além disso se o amor lança fora o temor, quem ama verdadeiramente a Jesus se alegra sabendo que a cada dia se aproxima o Seu regresso glorioso, pois se é certo que se lançará alguns na fornalha do inferno não é com um gesto Seu mas porque Sua Luz infinita não poderá ser suportada por aqueles que tiverem sido encontrado nas trevas e estes mesmo se lançarão nas trevas do ódio nas quais viveram a vida toda os que viviam no pecado. Para os que lutam sem cessar para responder aos apelos do Senhor, a proximidade de Seu regresso é ocasião de alegria, jamais de temor, confiantes de que Sua misericórdia excede infinitamente à Sua justiça, "porque sabe de que barro fomos feitos" (Sl. 102). Por isso alegrai-vos sempre no Senhor, repito, alegrai-vos!!!

II DOMINGO DO ADVENTO ANO C
 
PREPARAI OS CAMINHOS DO SENHOR
POR: PE. TARCÍSIO AVELINO
 

E todas as pessoas verão a salvação de Deus" Este é o motivo pelo qual a liturgia deste segundo domingo do Advento nos traz como tema a conversão, tema principal de todo este tempo de espera do Senhor. Para tanto, o Evangelho de hoje e a Primeira leitura, usam a imagem dos caminhos acidentados com os quais compara nossos pecados. Quando lemos por exemplo: "todo vale será aterrado" a que vale se refere senão os baixios de nossa preguiça e apatia em anunciar e testemunhar o Evangelho, a exemplo de São Paulo que, na segunda leitura exulta de alegria exulta de alegria pela comunhão que os filipenses teem com ele na "divulgação do Evangelho", rogando a Deus que "leve à perfeição a obra" que Ele começara neles desde o momento em que, ouvindo a Pregação da Verdade, tomaram a peito a mudança de suas vidas.

O que quer nos dizer o Evangelho de hoje, quando, por exemplo, menciona: " toda montanha e colina serão rebaixadas" senão que todo orgulho, soberba e arrogância que nos faz olhar os outros por cima dos ombros devem ser erradicados de nossos corações se quizermos preparar os caminhos para que Deus possa habitar em nós e para que possamos viver em comunhão com Ele eternamente? Essa é a conversão que S. João Batista pede no Evangelho de hoje, não só para o tempo do advento mas como atitude de toda a vida que se constitui na espera do Senhor que voltará em Sua glória para levar com Ele quem aceitou andar em Seus caminhos? Só assim veremos se cumprir o que nos diz o final do Evangelho onde lemos que "todas as pessoas verão a glória de Deus". Mas a que glória, está se referindo? Certamente não à glória que DEle contemplaremos na eternidade porque aquela, só poderá contemplar quem tiver aderido ao exemplo que Ele nos dá ao revelar neste mundo a glória dEle que nossos olhos podem suportar: Um Deus Infinito que se rebaixa e aniquila se revelando na fragilidade de uma criança na mangedoura do presépio". Este é o motivo pelo qual o Advento pede de nós a conversão para prepararmos o caminho do Senhor, porque Depois do pecado original o orgulho que se acendeu em nós nos separou deste Deus que, de tão humilde se rebaixa para nos alcançar no profundo abismo de nossa miséria, exatamente quando os pecados da humanidade tinham chegado ao máximo grau.


 

CANSADO DE PECAR??? TENHO A SOLUÇÃO!
 
 

Não despreze os preceitos de Deus isso pode acarretar a perdição eterna

 

“As vossas iniquidades fizeram uma separação entre Vós e vosso Deus” (Is. 59, 2)  

A malícia do pecado mortal consiste no desprezo da graça divina e na perda voluntária de Deus, o Bem supremo. Com toda a justiça, pois, a maior pena do pecador no inferno é tê-lo perdido, sem esperança de o tornar a achar.

Se quisermos ter uma garantia de não incorrermos em tamanha desgraça, demo-nos inteiramente e sem reservas ao Senhor. O que não se dá inteiramente a Deus ou o serve com tibieza, corre grande risco de o perder para sempre.

I. A gravidade da pena deve corresponder à gravidade do delito.

Os teólogos definem o pecado mortal por estas duas palavras: aversio a Deo — aversão de Deus. Eis, pois, em que consiste a malícia do pecado mortal: consiste no desprezo da graça divina e na perda voluntária de Deus, o Bem supremo. Pelo que com toda a justiça a maior pena do pecador no inferno é o ter perdido a Deus.

São grandes as demais penas do inferno: o fogo que devora, as trevas que obcecam, os uivos dos condenados que ensurdecem, o mau cheiro que faria morrer aqueles desgraçados se pudessem morrer, a estreiteza que os oprime e lhes tolhe a respiração; mas todas estas penas nada são comparadas com a perda de Deus.  

No inferno os réprobos choram eternamente, mas o objeto mais amargoso do seu choro é o pensar que perderam a Deus pela sua culpa.

Ó Deus, que grande bem perderam eles! Durante esta vida os objetos que nos rodeiam, as paixões, as ocupações temporais, os prazeres dos sentidos, as contrariedades não nos deixam contemplar a beleza e bondade infinita de Deus.

Mas uma vez que a alma sai do corpo, reconhece logo que Deus é um bem infinito, infinitamente formoso, e digno de amor infinito. E sendo que foi criada esse Deus, quisera logo elevar-se a ele e com ele unir-se.

Como, porém, está em pecado, acha levantado um muro impenetrável, quer dizer, o pecado mesmo que lhe fecha para sempre o caminho para Deus: As vossas iniquidades fizeram uma separação entre vós e o vosso Deus.

Meu Senhor, graças Vos dou, porque não me foi ainda fechado este caminho, como tinha merecido, e porque posso ainda ir para Vós. Peço-Vos, não me repilais! Meu Jesus, com Santo Inácio de Loyola Vos direi: Aceito toda a pena, mas não a de ser privado de Vós.

Se quisermos ter uma garantia de que não perderemos o nosso Deus, consagremo-nos inteiramente a ele.

O que não se dá todo a Deus corre sempre o risco de lhe virar as costas e de o perder. Uma alma, porém, que resolutamente se desapega de todas as coisas e se dá toda a Deus, não o perde mais; porquanto, Deus mesmo não consentirá que uma alma que se lhe deu de todo o coração lhe volte as costas e o perca.

Pelo que um grande Servo de Deus dizia que, em lendo-se a queda de alguns que primeiro levaram vida santa, se deve concluir que eles nunca se deram a Deus com todas as veras.

Demo-nos, pois, ao Senhor sem reserva e roguemos-lhe sempre pelos merecimentos de Jesus Cristo que nos livre do inferno. Especialmente deve pedir isso aquele que na sua vida já perdeu a Deus por algum pecado grave.

Ai de mim, ó Senhor, que pelo desprezo da vossa graça mereci estar para sempre separado de Vós, meu Bem supremo, e odiar-Vos para sempre.

Agradeço-Vos o me haverdes suportado quando estava na vossa inimizmorrido, que seria de mim?

Mas já que me prolongastes a vida, fazei que dela nunca me sirva para Vos ofender de novo, mas unicamente para Vos amar e para chorar os desgostos que Vos dei.

Meu Jesus, doravante sereis Vós o meu único amor; e o meu único temor será o de Vos ofender e de me separar de Vós. Nada, porém, posso, se não me ajudardes.

Prendei-me sempre mais a Vós pelos laços de vosso santo amor; reforçai as santas e doces correntes de salvação, que me liguem mais e mais convosco.

Pelos méritos de vosso Sangue espero que me ajudareis para ser sempre vosso, ó meu Redentor, meu amor, meu tudo: Deus meus et omnia. — Ó grande Advogada dos pecadores, Maria, ajudai um pecador que se recomenda a vós e em vós confia.

.



 
I DOMINGO DO ADVENTO C

            VEM SENHOR JESUS!

                                                      POR: Pe. Tarcísio Avelino, TF
Neste primeiro domingo do advento temos, já um panorama do que significa este tempo forte da liturgia onde, com Maria esperamos o Messias que virá no Natal, mas não só isto, lembramos neste tempo as tres vindas de Nosso Deus em nosso meio não somente em Sua primeira vinda no Natal como também sua vinda intermediária na pessoa de cada irmão e nos Sacramentos, pariticularmente na Eucaristia, bem como nos lembramos de Sua vinda no último dia, no Juízo Final. Neste sentido a primeira leitura fala da primeira vinda do Senhor referindo-se a Sua Encarnação no ventre de Maria como uma sementinha boa que, caída na terra boa do corção da Virgem foi crescendo e se desenvolvendo até se tornar homem como nós e poder nos justificar sofrendo em si as consequencias do nosso pecado, perdoando-nos e ao mesmo tempo, cancelando nossa culpa, essa é a finalidade de toda a história da salvação que será consumada no último dia quando Ele voltará como Juiz como lemos no Evangelho onde, somos recomendados a estarmos vigilantes para podermos escapar de tudo o que vai acontecer e ficarmos de pé na presença dO Santo dos Santos, que, por ser tão terrível, tem constantemente a Seus pés, prostrados todos os Anjos que rezam sem cessar, Santo, Santo, Santo, por isso o Evangelho de hoje fala de uma profunda transformação pela qual passará este mundo antes de poder recebê-lO de volta. Se Ele é tremendo e o mundo inteiro terá que ser purificado numa convulsão caótica para ser purificado das manchas de pecado com as quais os homens submeteram a natureza, que santidade de vida não devemos ter para poder ficar de pé na presença deste Deus terrível em poder e majestade!!! Somos advertidos à vigilancia constante para que nosso coração não fique pesado pela gula e pelas bebedeiras, do contrário, não poderemos resistir às constantes tentaçõe com as quais Satanás a todo momento não cessa de nos submeter para nos afastar de Deus, só poderá encarar de frente este Juiz que é A Luz do Mundo, quem em luz tiver vivido, correspondendo sempre às graças que O Espírito Santo não cessa de nos conceder, correspondente às tentações pelas quais passamos. E a segunda Leitura nos ensina, justamente, como ser pouco a pouco transformados em luz: é pelo amor com o qual recebemos Cristo na pessoa de cada irmão. Ele vem a nós a todo instante através do nosso próximo como nos ensinou: "tudo o que fizerdes ao menor de meus irmãos é a mim que o fizestes". É pelo amor que somos transformados em Luz porque a Luz é Cristo, Cristo é Deus e Deus é amor, portanto a vigilância à qual somos exortados neste advento é no sentido de jamais deixarmos escapar nenhuma oportunidade de amar, principalmente às pessoas mais difíceis pelas quais temos uma natural ou devida antipatia. 
Por outro lado, se amar sempre é um desafio, nesta vinda intermediária de Cristo, no nosso dia-dia temos também a vinda dEle nos Sacramentos, destacando-se a Eucaristia, no qual O Próprio Amor se entrega a nós capacitando-nos a amar como Ele nos amou, com o Seu próprio amor.
Sendo assim, se por um lado causa um certo temor saber quão terrível será a purificação do mundo para receber o Justo Juiz, ao mesmo tempo, para aqueles que se esforçam para estar em condições de ficar de pé diante dEle, quando Ele vier, todos os sinais de Sua vinda são motivos de júbilo pois indicam que chega logo, Aquele pelo qual nossa alma tanto anseia, cansada de ver nossos semelhantes transformando-se em monstros quanto mais se distanciam da forma na qual fomos talhados, à Sua imagem e semelhança!!! MARANATÁ, VEM SENHOR JESUS. FELIZ ADVENTO PARA TODOS!!! PE. TARCÍSIO
A História do Rosário
 
 
Sempre me perguntei: "O quê você acha dessa Ave Maria ser repetida tantas vezes ?" Qual é o ponto disto ? ...
Agora, entendo que cada vez que eu orar, cada Ave Maria é uma linda rosa oferecida para a Virgem. Tenho certeza que todos vocês conhecem esta bela oração, que é o terço.
Conta a lenda que um irmão leigo (não sacerdote) da Ordem dos Dominicanos, não sabia ler nem escrever, logo não podia ler os Salmos, como era costume nos Mosteiros da época.
Então, quando ele terminou seu trabalho à noite (ele era o cozinheiro, o jardineiro, etc ...) foi para a Capela do Convento e se
ajoelhou na frente da imagem da Virgem Maria, e recitou 150 Ave Marias (o número dos Salmos), a seguir se retirou para sua cela para dormir.
Na manhã seguinte, ao amanhecer, diante todos os seus irmãos, foi para a Capela para repetir o hábito de saudar a Virgem.
O Superior observava a cada dia, que ao chegar à Capela para celebrar as
orações da manhã com todos os Monges, havia um aroma delicioso de rosas recém-cortadas, bem ornamentadas nos vasos, belíssimas e bateu-lhe a curiosidade. Pergunto a todos os encarregados de decorarem o altar da Virgem sobre o tal aroma, tão bom, e para sua surpresa, não obteve nenhuma resposta, assim como, soube também que nenhum deles retiravam rosas do jardim.
O irmão leigo, ficou gravemente doente, e os outros monges notaram que o altar da Virgem não tinha as rosas habituais, logo deduziram que ele era o irmão quem colocava as rosas. Mas como? Ninguém jamais o havia visto deixar o Convento e tampouco sair para comprar as belas rosas.
Entretanto, certa manhã, todos os Monges presenciaram espantados, o
irmão leigo ajoelhado diante da imagem da Virgem, recitando as Ave-Marias, e ao recitar a oração para Nossa Senhora, uma rosa aparecia no vaso. Nesse dia, no final de suas 150 orações, caiu morto aos pés da Virgem.
Ao longo dos anos, Santo Domingo de Guzmán, por uma revelação da
Santíssima Virgem, dividiu as 150 Ave-Marias em três grupos de 50 associadas à meditação da Bíblia: Os Mistérios Gozosos, os Mistérios Dolorosos e os Gloriosos, e o Beato João Paulo II adicionou os Mistérios
Luminosos.
Assim, toda vez que você recitar 150 Ave Marias, estará entregando 150
rosas para a Mãe Divina.
Carregue seu ROSÁRIO DIARIAMENTE - Quando você carrega o seu rosário torna-se uma dor de cabeça para Satanás - Quando você usa o seu Rosário, Satanás entra em colapso - Quando ele vê você rezar o Terço, desaparece !
MILAGRE DO SOL - Fátima 13 Outubro 1917

Olá queridos amigos, como um dos carismas de nossa Comunidade é divulgar as Mensagens de Nossa Senhora, hoje vamos partilhar um pouco mais da História das Aparições de Nossa Senhora em Fátima, que juntamente com os escritos de Santa Teresinha são as fontes inspiradoras de nossos Estatutos. Deus abençoe a todos, PE. TARCISIO



Na sua terceira aparição em Fátima, Nossa Senhora prometeu aos três pastorinhos:

"Em outubro direi quem sou, o que quero, e farei um Milagre, que todos hão-de ver para acreditarem" (13 de junho de 1917)

Três meses depois, Maria Santíssima realizou, por intervenção divina, o Milagre do Sol.


1 – Foi o primeiro milagre da história (excepto o da Ressurreição) que foi realizado para provar algo à humanidade com tempo e local anunciados com antecedência.

2 – Nenhum pesquisador conseguiu, até hoje, explicar à luz da ciência os movimentos do sol e os fenómenos que ocorreram em Fátima naquele dia.

3 – A escolha das testemunhas entrevistadas foi feita de maneira totalmente imparcial e aleatória: jovens, adultos, católicos, ateus, homens, mulheres, pobres, ricos etc.

4 – O milagre foi observado também por cerca de 70.000 pessoas no local e muitas testemunhas situadas fora do local das aparições, até a 40 quilómetros de distância.

Lúcia, a mais velha dos três pastorinhos, revelou nas suas Memórias que escreveu as visões extraordinárias que teve enquanto Nossa Senhora comandava o Milagre do Sol no céu de Fátima.

Diz a Irmã Lúcia:

"E abrindo as mãos, Nossa Senhora projectou feixes de luz que refletiram no Sol. E enquanto elevava-se da azinheira para o Céu, continuava o reflexo da Sua própria luz a projetar-se no Sol.

"Então, eu gritei: "Olhem, olhem para o Sol!"

"O meu fim não era chamar para si a atenção do povo, pois que nem sequer me dava conta da sua própria presença. Fi-lo apenas levada por um movimento interior que a isso me impeliu."

Naquele exacto momento "as nuvens desapareceram num instante, a chuva terminou e apareceu o sol que tinha uma cor prateada e não cegava".

E então, começaram as duas manifestações sobrenaturais distintas: a dos pastorinhos e aquela da multidão que foi apresentada acima.


Lúcia continua a descrever:

- "Desaparecida Nossa Senhora na imensa distância do firmamento, vimos, ao lado do Sol, São José com o Menino Jesus e Nossa Senhora vestida de branco, com um manto azul. São José com o Menino Jesus pareciam abençoar o Mundo com uns gestos que faziam com a mão em forma de cruz.

"Pouco depois, desvanecida esta aparição, vi Nosso Senhor e Nossa Senhora que me dava a idéia de ser Nossa Senhora das Dores. Nosso Senhor parecia abençoar o Mundo da mesma forma que São José. Desvaneceu-se esta aparição e pareceu-me ver ainda Nossa Senhora em forma semelhante a Nossa Senhora do Carmo."

Uma enorme quantidade de depoimentos de testemunhas do Milagre do Sol, relatam os mesmos acontecimentos, ajudam a comprovar a veracidade do episódio.

"Era como um disco de vidro fosco iluminado por detrás e girando sobre si mesmo, dando a impressão que estava caindo sobre as nossas cabeças."

"Olhei fixamente para o sol que parecia pálido, e não feria os meus olhos. Parecendo uma bola de neve, ele girava sobre si mesmo; de repente pareceu cair em ziguezague." (Sr. Mário Godinho)

"O sol começou a rodar em círculos de todas as cores. Era como uma roda de fogos de artifício, caindo sobre o chão." (Pe Joaquim Lourenço)

"Olhei para o sol e o vi girando como um disco, rolando sobre si mesmo. Vi as pessoas mudando de cor, tomando as cores do arco-íris." (D. Maria Celeste da Câmara e Vasconcelos)

"Até nossas roupas tinham secado. Não sentimos absolutamente nada. As roupas estavam secas e pareciam que tinham acabado de vir da lavanderia. Pensei: ou estou louco ou isto foi um milagre, um verdadeiro milagre." (Sr. António Antunes de Oliveira)

"A minha roupa estava molhada e então, sem me dar conta, ficou seca." (Sr. Dominique Reis)

"Presenciei também quatro curas no lugar das aparições: duas de tuberculose, uma de uma moça de Lisboa e a outra de Alfarelos; e duas aleijadas." (Sr. Joaquim Vicente)

"Não conheço ninguém que dissesse não ter visto." (D. Maria do Carmo Menezes)

"Nunca soube que alguém não tivesse visto nada. Elas não poderiam não ver, a menos que não quissessem olhar para o fenómeno." (Sr. João Carreira)



Página do jornal "O Século" de 15 de Outubro de 1917




CHÁS PARA TODA CAUSA DE MAU HÁLITO



CHÁS PARA TODA CAUSA DE MAU HÁLITO

Queridos irmãos, hoje eu gostari de dividir com vcs este conhecimento que vai ajudar muito cristão que faz muita gente sofrer sem nem saber que tem mau hálito, principalmente para nós ministeriados do carisma do aconselhamento que tantos conselhos temos que dar ao pé do ouvido. Abraços, PE. TARCISIO.
1 - CHÁ PARA TIRAR QUALQUER MAU HÁLITO
cravo da índia
zedoaria
hortelã
anis estrelado
Usar um punhado de dedo de cada erva em 1 litro de água fervente, ferver mais 3 minutos e tomar uma xícara de chá 4 vezes ao dia
2)  - GARGAREJO PARA TIRAR MAU HÁLITO:
1 punhado de cravo da índia
1 punhado de malva branca
1 punhado de menta
1 litro de água
Ferva tudo, deixe esfriar e faça gargarejo 4 vezes ao dia
3) INTESTINO PRESO QUE CAUSA MAU HÁLITO:
3 ameixas pretas
1 fatia de mamão
1 colher (sopa) de farelo de linhaça
1 colher (sopa) de Psylium  pó
1 copo de leite de soja
Bater juntos e tomar de manhã e a noite
4) GASTRITE QUE CAUSA MAU HÁLITO:
Espinheira santa
Imburana
Guaçatonga
Pariparoba
Sálvia
1 litro de água
Usar um punhado de dedo de cada erva em 1 litro de água fervente, tomar uma xícara de chá 5 vezes ao dia
5)  INSÔNIA E DEPRESSÃO QUE CAUSAM MAU HÁLITO:
Erva de São João
Tilia
Mulungú
Melissa
Camomila
Maracujá
1 litro de água
Usar um punhado de dedo de cada erva em 1 litro de água fervente e tomar uma xícara de chá 3 vezes ao dia 2 à noite. Diariamente
6) PASTA PARA STRESS QUE CAUSA MAU HÁLITO:
Marapuama pó
Gengibre pó
Ginseng pó
Nos de cola
300 gramas de mel
Misturar bem até virar uma pasta e tomar uma colher de sopa 2 vezes ao dia
7) OBESIDADE E REMÉDIO PARA EMAGRECER QUE CAUSAM MAU HÁLITO:
Phitolaca em pó
Oliveira em pó
Bugre em pó
Cavalinha em pó
Centela asiática em pó
Mulungú em pó
Hibiscus em pó
1 litro de água
Usar uma colher de sobremesa de cada erva em pó ou um punhado em erva, tomar uma xícara de chá 4 a 5 vezes ao dia
8 ) FUMANTE QUE TEM MAU HÁLITO:
Lobelia
Mão de Deus
Tanchagem
Pulmonária
Alcaçuz
Sumidade
Tilia
Jasmim
1 litro de água
Usar um punhado de cada erva em 1 litro fervente e tomar uma xícara de chá 5 vezes ao dia
9) GARGANTA, COM INFLAMAÇÃO CONSTANTE, QUE CAUSA MAU HÁLITO
Angico casca
Sucupira casca
Jequitiba
Mastruço
Equinacéa purpurea
Alfavaca
1 litro de água
Ferver a água colocar um punhado de dedo de cada erva em 1 litro de água fervente, ferver mais 3 minutos e tomar uma xícara de chá 4 vezes ao dia

A ORAÇÃO MÍSTICA E SEUS DEGRAUS
  ou
Os Graus de Oração em Santa Teresa
Por Tomaz Alvarez



No ensino prático da oração, Teresa fala frenquentemente de graus. Os graus da oração indicam ao mesmo tempo uma possível escala de crescimento na relação do homem com Deus, e diversas maneiras de se articular a mesma oração por parte do orante. Para entender corretamente o pensamento da Santa é necessário ter em conta vários aspectos: a) que a oração se mede pela vida do orante, e ao contrário, porque há correlação entre uma e outra, entre oração e ação, ou entre oração e conduta, pois não há relação com Deus sem uma sensibilização para os irmãos, ou para a igreja e a humanidade. A melhor oração "é a que deixa melhores efeitos, chamo efeitos quando são confirmados com obras" (carta 129,4 - 23.10.1576); b) e o segundo, haverá que ter em conta a idéia básica que Teresa tem de oração, cão como simplres prática de treinamento (ato de solipsismo) do orante, mas como trato de amizade entre os dois.

Os graus de oração nas diversas obras de Santa Teresa


1. LIVRO DA VIDA

Iº grau: oração ascética (cc. 11-13)

Esta oração pode ser simples meditação da Palavra ou dos mistérios do Senhor, ou o pode e deve desenvolver-se em forma de atenção amorosa e calada (c.13,22).

2º grau: ingresso esporádico na oração mística (cc.14-15)

Chamada de "oração de quietude", nome que Teresa retém para sua exposição. Consiste num repouso pacífico e amoroso da vontade, fascinada pelo mistério divino. Fascinação que se lhe outorga intermitentemente, porém que constitui uma nova maneira de relacionar-se com o Amigo divino.

3º grau: várias formas de oração forte, pré-extática.

Santa Madre fala em "sono das potências", resultado de uma intensa infusão de amor na vontade. A santa recorre às imagens do "glorioso desatino", a "loucura celestial", a "embriaguez" da vontade, "verdadeira sabedoria e deleitosíssima maneira de a alma gozar" (cc. 16-17).

4º grau: união mística.

Toda a atividade da mente é unificada e todas as potências são unidas ao interlocutor divino. Expressa-se em fenômenos místicos como o êxtase, o "vôo do espírito" (cc. 17-21), os incontidos ímpetos amorosos, as feridas de amor (c. 29).

A escala de graduação dessas diversas formas de oração se mede por seus efeitos na vida cotidiana do orante. Mede-se também pela experiência que o orante adquire do Amigo divino e de seu mistério.


2. CAMINHO DE PERFEIÇÃO

Neste livro Santa Teresa fala aos jovens de seu primeiro Carmelo, portanto enfoca a oração nos principiantes e os graus ficam em segundo plano. É um contraponto ao Livro da Vida. Aos principiantes interessa:

a) Antes de tudo, a oração vocal: aprendizagem dos conteúdos da oração dominical ensinada pelo Mestre: o Pai Nosso (cc. 22...);

b) interessa-lhe iniciar-se na oração mental, que lho acerque mais e mais à Humanidade de jesus: aprender a olhá-lo, a escutar suas palavras, assimilar seus sentimentos, calar diante dele (c. 22);

c) interessa-lhe iniciar-se no recolhimento: interiorizar a oração, aprender a silenciar os sentidos exteriores, celebrar a fundo a Eucaristia e assim dispor a alma para possíveis formas de oração contemplativa infusa (c. 26-29);

d) segue um simples esboço das primeiras formas de oração mística que o Senhor dará a quem Ele quer, pois "não é porque nesta casa todas estão voltadas para a oração que todas haverão de ser contemplativas" (17,1). "Santa era Marta, e não dizem que fosse contemplativa" (ib.5). Isso sim, a todas lhes dará ele essa água viva, mesmo que não seja nesta vida, será na outra.


3. RELAÇÃO 5

Neste texto, resposta às perguntas de um teólogo consultor da Inquisição, Teresa enumera simplesmente os graus místicos e propõe os seguintes:

a) entrada na experiência da misteriosa presença de Deus (R5,25);

b) recolhimento infuso da mente (n.3);

c) quietude e paz da vontade (n.4);

d) "um sono que chamam de potências", que as arrebata sem impedir-lhes de atender simultaneamente às coisas da vida (n.5);

e) seguem os êxtases e arroubamentos com suspensão de todas as potências. O espírito, mesmo que por momentos, une-se a Deus (n.7-10);

f) "vôo do espírito" (n.11-12);

g) ímpetos de amor (n.13);

h) as feridas de amor (n. 17-18)


4. MORADAS

Primeiro grau: oração sumamente rudimentar. Se o orante se acha todavia imerso no exterior e na desordem interior, sua relação com Deus não poderá ser real; é como a relação do surdo-mudo com os outros (primeiras moradas).

Segundo grau: inícios de autêntica oração meditativa, fundada na nascente sensibilização para as palavras e as coisas de Deus, e para a relação com Ele: o orante é - afirma Teresa - como um surdo-mudo que começa a ouvir (segundas moradas).

Terceiro grau: normalização da meditação, e certa estabilidade de vida espiritual (terceiras moradas).

Quarto grau: simplificação e estabilidade na meditação, com intervalos de quietude infusa da vontade (quartas moradas).

Quinto grau: começa a oração de união, estados mais ou menos prolongados de profunda união a Cristo, à sua presença, a seus mistérios. Com a conseguente mudança no sujeito: mudança em sua psicologia, em seu relacionamento com Deus, e em sua atitude com os outros (quintas moradas).

Sexto grau: período de oração extática, rica em graças místicas de todo gênero (sextas moradas).

Sétimo grau: oração de união plena, de plena conformidade com a vontade de Deus. Misteriosa união a Ele, caracterizada pela experiência da inabitação trinitária (M7,1); pela experiência esponsal de Cristo Senhor (M7,2); pela especial maturidade do orante e sua mudança de atitudes psicológicas e teologais (M7,7) e pela total disponibilidade ao serviço dos outros, na plena configuração a Jesus (M 7,4).

Eis queridos amigos um dos principais objetivos dos membros de nossa Comunidade Teresiniana, galgar e ensinar os outros a progredir nos diversos graus da oração, principalmente os teresinianos de vida contemplativa. Que todos vocês nunca se contentem com o progresso que já fizeram mas desejem sempre mais de Deus!! Abraços, PE. TARCÍSIO AVELINO
A CIDADE SEM DIVÓRCIOS!!! EXISTE??


Em Siroki Bireg, Herzegovina, com 13.000 fiéis, não há um único divórcio. Não se recorda que nenhuma família trenha sido desfeita. Será que a Herzegovina goze de um favor excepcional do Céu? Existe algum truque mágico contra o demônio da divisão?
A resposrta é muito simples! Durante séculos, sob o domínio Turco e, depois, comunista, os Croatas sofreram cruelmente, porque queriam tirar-lhes a fé cristã. Eles sabem por experiência que a salvação lhes vem da Cruz de Cristo; não vem dos projetos de desarmamento, da ajuda humanitária ou dos tratados de paz, embora, por vezes, estas relidades  tragam alguns benefícios.
A fonte da salvação é a Cruz de Cristo! Estas pessoas tem sabedoria, não se deixam enganar quando se trata da vida ou da morte. Por isso, elas ligaram indissociavelmente o casamento à Cruz de Cristo. Fundaram o casamento, que dá a vida humana, sobre a Cruz que dá a vida divina.
A tradição croata do casamento é tão bela que começa a fazer escola na América e na Europa. Quando um jovem casal se prepara para o casamento, não se lhe diz que encontrou a pessoa ideal, o melhor partido. Não! Que diz o Padre? Você encontrou a sua cruz e é uma cruz para amar. Uma cruz para carregar, uma cruz que você não deve rejeitar, mas amar.
Estas palavras pronunciadas na França, deixaria o noivo mudo de espanto, mas na Herzegovina, a cruz evoca o amor e o cucifixo é o tesouro da casa.
Quando os noivos se dirigem para a igreja, , levam consigo um crucifixo.  Este crucifixo é abençoado pelo padre e, durante a troca de compromissos, reveste-se de central importância.
De fato, a noiva pousa a mão direita sobre a cruz. Por sua vez, o noivo põe a mão sobre a da noiva e as mãos ficam assim reunidas sobre a cruz. O padre coloca a estola sobre a mão dos noivos que pronunciam, então, seus compromissos e prometem mutua fidelidade, segundo o rito da igreja. Frei Iozo diz que, depois disto, os noivos não se beijam, mas beijam a cruz. Eles sabem que beijam a fonte do amor.
Quem se aproxima e vê as mãos deles estendidas sobre a cruz compreende que, se o marido abandona a esposa ou ela abandona o marido, é a cruz que eles abandonaram. E quando se deixa a cruz, nada resta; perde-se tudo porque se deixou Jesus. Perdeu-se Jesus.
Depois da cerimônia, os noivos levam o crucifixo e dão-lhe um lugar de honra na casa. Tornar-se-á o centro da oração familiar, porque tem a convicção de que a família nasceu dessa cruz. Se  sobrevém um problema, se há um conflito, é diante desta cruz que os esposos vem  encontrar socorro. Não irão ao advogado, não consultarão um adivinho  ou um astrólogo para resolver e não contarão com um psicólogo para resolver seus problemas. Não! Eles irão diante de Jesus, diante da cruz. Ajoelharão e, diante de Jesus, derramando suas lágrimas, chorarão o seu sofrimento e, sobretudo, trocarão o seu perdão.Não adormecem com o coração pesado porque recorreram ao seu Jesus, ao único que tem o poder de salvar.
Eles ensinarão aos seus filhos a abraçar a cruz de cada dia e a não se deitarem como pagãos, sem terem agradecido a Jesus. Para as crianças, tão longe quanto vão suas recordações, Jesus é o amigo da família que se respeita e que se ama. Estas crianças não recebem ursinhos para abraçar durante a noite para se sentirem em segurança. Mas dizem “boa noite a Jesus” e beijam a cruz. Adormecem com Jesus, não com uma pelúcia. Sabem que Jesus os guarda em Seus braços e nada tem a temer. Seus medos extinguem-se no beijo a Jesus.
Fonte: Ecos de Medjugorie – Março de 2002.


4 PASSOS PARA VENCER O DESÂNIMO


Olá queridos amigos, hoje gostaria de partilhar com vcs esse belíssimo texto de Flauzilino Araújo dos Santos qeue nos fala sobre um dos grandes males que assolam nosso mundo onde somos cada vez mais tragados por mais e mais exigencias e compromissos de todos os lados, onde somos aprisionados pela própria tecnologia que criamos que, embora facilitem nossas vidas, passam a exigir cada vez mais de nós por criar novas necessidades que ultrapassam aquilo que necessitamos para cada momento, impossibiltando nos de discernir aquilo que realmente necessitamos, exatamente, por ocupar de tal modo nossa mente, roubando nos o espaço necessário para estarmos a sós conosco mesmo, em oração diante da presença de Deus, sem o qual "nada podemos fazer" (Jo.15,5). Portanto, o desânimo os impede de ser o que Deus tem intenção de que sejamos;  esconde as belezas da vida  para nossas vidas;  asfixia nossas ambições e nossos projetos de vida;  nos amontoa com a multidão de pessoas perdedoras;  apaga nossa luz que deve brilhar claramente com Jesus, porque Ele disse: vós sois a luz do mundo (Mateus 5:14)..
O desânimo, ainda: Nos identifica com o fracasso; faz com que as dúvidas controle nossas ações; atrofia nossas mentes para que não sejam criativas; paraliza nossa fé; magnifica nossos problemas; obstrui nossa influência positiva sobre outras pessoas;  nos força a sermos pessoas introvertidas; torna nublada ou sombria nossa visão. O desânimo destrói nossos sonhos; destrói nossos projetos de vida.
É o desânimo a ferramenta utilizada pelas forças espirituais do mal para que muitas pessoas peguem a toalha e abandonem a luta por uma melhor qualidade de vida. O desânimo torna a pessoa apática, conformada. E a maioria faz côro e diz: – É assim mesmo! – Ce la vie! - Assim é a vida! – Não a pena lutar! – A vida é assim mesmo!
Caríssimo amigo: O propósito desta mensagem é poder dizer hoje a você que Deus quer você lute, porque Ele mesmo – Deus – o próprio Deus – vai estar com você para que aconteça um novo tempo em sua vida: um tempo de êxito, um tempo de paz de espírito, um tempo de saúde, um tempo de amor, um tempo de felicidade.
Deus não quer que você desista e Ele diz hoje a você: “- Meu filho: Não tenhas medo, porque eu te ajudo… Eu te resgatei, chamei-te pelo teu nome; tu és meu. Quando passares pelas águas estarei contigo, e quando pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti. Porque eu sou o Senhor teu Deus, o teu Salvador. Visto que foste precioso aos meus olhos… também foste honrado, e eu te amei. Não tenhas medo, pois, porque estou contigo. Eu te ajudo (cf. Isaías 43:1-5).”
Assim, ainda que seja impossível viver em uma atmosfera totalmente separada do desânimo, além da ajuda de Deus o nosso Pai que estende para nós a Sua potente mão, existem alguns passos que podemos dar e que são passos de nossa inteira responsabilidade a fim de que sejamos vitoriosos, enquanto o desânimo tão de perto nos rodeia.
Primeiro passo: Pensar nas vitórias do passado.
Normalmente quando estamos desanimados nós nos esquecemos das vitórias passadas. O desânimo produz um sentimento negativo a respeito de nós mesmos e nós começamos a nos sentir como um fracasso e dizemos a nós mesmos: “eu não sou bom” ou “sempre estou cometendo os mesmos erros” ou “porque não posso fazer nada bem” ou ainda “tudo que eu faço dá errado”.
Por favor, meu amigo: pare de viver na noite obscura do negativismo. Pense em alguma coisa do passado em que você foi vitorioso. Eu garanto que esse exercício mental vai lançar uma luz no calabouço de seu desânimo.
Segundo passo: Elimine todas as influências negativas de sua vida.
Talvez você tenha amigos como os amigos de um personagem da Bíblia chamado Jó. Amigos que aos invés de ajudá-lo só vêem obstáculos e o lado escuro da vida.
Existem pessoas que estão sempre de óculos escuros cujas lentes não captam os ângulos luminosos da vida. Espalhafatosas, agressivas, estão sempre se recusando a dar um sorriso, um aperto de mão, um abraço; sentem-se injustiçados e sem oportunidades na vida. Essas pessoas trazem agressões ao nosso espírito.
Por favor: Após ler (ou ouvir) esta mensagem, pegue uma folha de papel e uma caneta,  escreva os nomes de seus amigos e na frente de seus nomes escreva suas características. Algumas perguntas podem ajudá-lo nesse processo: Seus amigos são pessoas positivas ou negativas? Eles levantam você ou puxam você para baixo? Possuem atitudes de inveja, ciúmes, amargura e ódio? Sobre o que eles gostam de falar quando vocês estão juntos?
Se seus amigos estão puxando você para baixo é melhor encontrar novos amigos ou caminhar sozinho com Deus. Comece ler bons livros que construam sua fé. Elimine qualquer coisa de sua vida que tenha a tendência de manter você para baixo, como esses programas jornalísticos do rádio e da televisão que só falam de tragédias, de crimes e de mentiras.
Não comece o seu dia com um programa jornalístico, a não ser que, profissionalmente, isso seja necessário.
Faça uma limpeza em sua casa de tudo quanto lembra situações tristes do passado (p.e. roupas, jóias, cartas, cópias de processos judiciais, fotografias, objetos, E-mails etc). Digamos que seja uma espécie de “queima de arquivo” que eu prefiro chamar de “purificação do seu meio-ambiente”.
Eu garanto que  você vai poder dizer como um outro personagem da Bíblia chamado Jeremias. Ele disse: “Eu somente vou trazer a minha mente o que me pode dar esperança” (Lamentações 3:21). Em outras palavras, estava dizendo: “Eu me recuso a deixar que a minha mente seja um baú de recordações tristes do passado”.
Terceiro passo: Multiplique o seu conhecimento sobre as promessas de Deus para a sua vida.
Você conhecerá e viverá essas promessas lendo a Bíblia Sagrada, que é a Palavra de Deus escrita e inspirada pelo Espírito Santo, e participando de um grupo de pessoas comprometidas com a prática da adoração e do estudo da Palavra de Deus que poderá, inclusive, ser em uma Igreja, para compartilhamento mútuo.
Deus projetou você para dar certo. Ele não erra.  E para cada ser humano na face da terra o Criador planejou um existir, e nós tomamos conhecimento desse projeto e das ferramentas disponíveis para desenvolvê-lo em grau de excelência, precisamente, por meio da Sua Palavra.
Quarto passo: Compartilhe com outras pessoas das bênçãos que Deus tem para você e para outros.
Há uma orientação na Bíblia que diz: “… de graça recebestes; de graça daí” (Mateus 10:8).
É chegado o tempo de você dar daquilo que tem recebido. Com essa atitude, estará motivando outras pessoas a sairem do lugar comum onde as coisas não acontecem e, pela fé, emigrarem para o lugar onde existe criatividade, produtividade, abundância, multiplicação e restituição.
Posso garantir a você que não há nenhuma forma de melhor vencer o desânimo do que compartilhar algo bom com outra pessoa. É uma espécie de aquecimento, de troca, de bate-bola.
Com efeito, quando nós começamos a ajudar outras pessoas, um sentimento de utilidade, de felicidade e de ânimo invade nossas vidas.
Quero conclamar você a fazer agora mesmo uma decisão para ser, desde já, um animador, um ajudador, uma voz positiva em meio a tanta confusão e pessimismo. E assim, é você quem vai “puxar o cordão” dos animados.
Por favor, ao terminar de ler (ou ouvir) esta mensagem pegue o seu telefone e ligue para alguém, que pode ser um amigo, um parente, um colega de trabalho, enfim, alguém que você conheça, ou mesmo não conheça, e diga-lhe: Oi fulano … Estou ligando só para dar um alô … só para saber como você está… e para lhe dizer o quanto Deus ama você … e que eu também tenho uma grande consideração… uma grande estima… uma grande afeição por você. Talvez você possa até dizer: Amo você! Fale ainda outras palavras positivas para essa pessoa para a qual você vai ligar.
Pronto: Em primeiro, você vai se sentir uma pessoa positiva. Em segundo, as pessoas vão querer estar ao seu lado porque, efetivamente, você estará sendo um fator positivo para suas vidas. Suas palavras serão como as de Jesus: espírito e vida (cf. João 6:63).
Que bom! Já não vamos precisar mais vender nossas casas e ir para um campo ou para uma ilha deserta onde não se fale de desânimo. Porque é aqui; é aqui mesmo onde nós estamos que boas coisas estarão acontecendo; que coisas positivas e construtivas estarão acontecendo em nossas vidas.
É na plenitude desse conhecimento que vamos concluir esta reflexão com uma oração de louvor e gratidão a esse Deus que tudo preparou para que tenhamos vida abundante.
Oração: “Oh Pai! Pai nosso que estás nos céus. Obrigado por Tua mão estendida. Obrigado, Senhor, por Teu amparo. Nós nos sentimos confortáveis e seguros. Agora, Oh Senhor nosso, ajuda-nos também a estender nossas mãos para o próximo. Dá-nos palavras construtivas; palavras de ânimo, palavras de saúde, de vida e de ressureição, a fim de que possamos transmití-las com o amor, o poder e a autoridade do Espírito Santo. Queremos ser um fator positivo onde quer que estejamos. Assim, oramos agradecidos em o nome do Senhor Jesus Cristo.”


TODA UMA COMUNIDADE EVANGÉLICA SE CONVERTE E SE TORNA CATÓLICA


Em todo o mundo, cada vez mais protestantes e evangélicos retornam à Igreja Católica. Conheça a história do Pastor Alex e de sua comunidade evangélica.


Aconteceu nos Estados Unidos. A “Igreja Cristã Maranatha” ficava na Av. Oakman, Detroit. Hoje, o imóvel está à venda.


O ex-pastor Alex Jones


Tudo começou quando o pastor Alex Jones, 58 anos, passou a trocar o culto pentecostal por uma espécie de réplica da Missa. No domingo, 4 de junho de 2006, durante a celebração da Unidade Cristã e da Ascensão do Senhor, os líderes da congregação decidiram (por 39 votos a favor e 19 contra) dar os passos necessários para torná-la oficialmente católica. Uma história repleta de anseios, surpresas, amor e alegria.


“Eu pensava que algum espírito tinha se apossado dele”, disse Linda Stewart, sobrinha do pastor Alex. “Pensava que, na procura pela verdade, ele tinha se perdido”. Linda considera o tio como um pai, ela que foi adotada por ele desde o falecimento do verdadeiro pai. A preocupação da moça começou quando seu tio trocou o estudo da Bíblia, que era feito sempre às quartas-feiras, pelo estudo dos primitivos Padres da Igreja.

Gradualmente a congregação foi deixando o culto evangélico e retornando à Santa Missa: ajoelhar-se, o Sinal da Cruz, o Credo de Niceia, a Celebração Eucarística: todos os 9 passos. Linda explica: “Aprendi que a Igreja Católica era a grande prostituta do Apocalipse e o Papa era o Anticristo. E Maria? De modo algum! Éramos felizes e seguíamos Jesus. Eu estava triste e pensava: ‘ele está maluco se pensa que vamos cair nessa!’”.


O começo de tudo se deu quando Jones ouviu, num programa de rádio chamado “Catholic Answers” (‘Respostas Católicas’), o debate entre o protestante David Hunt e o apologista católico Karl Keating. O católico fez a pergunta-chave: “Em quem você acreditaria, no caso de um acidente, para saber o que aconteceu? Nos que estavam ali, como testemunhas oculares (Apóstolos), ou naquele que só apareceu depois de muitos anos (Lutero)?” O que era desde o princípio, o que ouvimos e vimos com nossos olhos, o que contemplamos e nossas mãos tocaram do Verbo da Vida. Porque a Vida se manifestou e nós a vimos; damos testemunho e anunciamos a Vida Eterna, que estava no Pai e se manifestou a nós; O que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que tenhais comunhão conosco: nossa comunhão é com o Pai e com o Filho, Jesus Cristo. Escrevemos estas coisas para que a vossa alegria seja completa." (I João 1-4)

Keating acentuou que, para aprender a verdade sobre a Igreja Cristã, era necessário ler os Padres da Igreja Primitiva, isto é, aqueles que estiveram lá desde o começo da história. “Aquilo fazia sentido”, disse o pastor Jones: “Guardei no coração e ponderei; mas só vim a compreender tudo quando li os Padres da Igreja e conheci uma Cristandade que não tínhamos em nossa igreja”. “Percebi que o centro do culto dos primeiros cristãos não era somente a pregação e o louvor, mas a Eucaristia, como o Corpo e o Sangue de Cristo presente”, declarou ele ainda.

No começo do verão de 1998, o pastor Jones decidiu reativar o verdadeiro culto da Igreja Primitiva em sua comunidade. Passou a realizar uma espécie de celebração eucarística todos os domingos. “Minha congregação achava ridículo”, recorda ele. “Eles diziam que uma vez por mês era o suficiente”. Jones leu o livro “Cruzando o Tibete”, de Steve Ray, professor de Bíblia em Milão, e aprendeu muito sobre as Escrituras, o Batismo e a Eucaristia. Mais tarde pode conhecer este autor no Seminário do Sagrado Coração em Milão, e passou a encontrá-lo regularmente.


Os dois dialogavam quase diariamente, por telefone ou e-mail. Ao estudo da Bíblia somou-se o estudo da Patrologia, do Catecismo, da Virgem Maria e os santos, do Purgatório, da Teologia Sacramental... “Comecei a deixar de lado a Sola Scriptura (somente a Bíblia), que representa o coração e a alma da fé protestante”, diz Jones. Parte do povo começou a abandonar a congregação. Relata a sobrinha de Jones: “A cada domingo eu ia para casa e dizia: ‘este foi o último; não volto mais”. Mas como confiava que seu tio era um homem de Deus, acabava retornando sempre, e aos poucos as coisas começaram a fazer sentido para ela também.

No processo de mudar o culto da Comunidade Maranatha, pastor Jones finalmente percebeu o óbvio: “Por quê recriar a roda? Já existe a Igreja que faz o culto da maneira correta: a Igreja Católica!” “Comecei a perceber que a Igreja eterna era a Católica. Todas as outras tiveram uma data de início e foram fundadas por homens. Eu encontrara a Igreja de Jesus Cristo e estava querendo perder todo o resto.” A SITUAÇÃO DA ESPOSA “Parecia uma coisa temporária. Então ele começou a mudar as coisas drasticamente e eu me perturbei, porque achava que ele estava indo pelo caminho errado”, diz Donna Jones, 33 anos, esposa do ex-pastor Alex.


“Ele havia pregado que a Igreja Católica era cheia de idolatria”, completa ela: “Quando começou a abraçar essa fé, eu disse: ‘Tem alguma coisa errada aqui’”... Alex e Donna começaram a discutir sobre usos cristãos. Donna começou a estudar a Igreja Católica para contrariar o marido, na tentativa de desviá-lo daquele caminho, como ela explica: “Precisava de ‘munição’ para contra-atacar. Mas, logo que eu comecei a ler sobre os Padres da Igreja, uma mudança começou acontecer no meu coração”.

No verão de 1998, Dennis Walters, diretor do Rito de Iniciação Cristã para Adultos da Paróquia Cristo Rei (Ann Arbor), se encontrou com a família Jones. Walters forneceu exemplares do Catecismo aos líderes de toda a Congregação Maranatha, e respondia às muitas perguntas sobre a doutrina. Por quase 10 anos, Walters se encontrou com os Jones todas as terças-feiras, e ficavam juntos por 4 ou 5 horas. Ele conta que Donna lutou contra a possibilidade de admissão na Igreja Católica também porque isso significaria a perda do emprego bastante rentável do seu marido. Rindo, ela conta que orava assim: “Senhor, o que estou fazendo, após 25 anos de ministério? Eu não estou preparada para me tornar pedicure ou manicure...”. Mas conclui contando o que aconteceu depois de algum tempo: “Então o Espírito Santo me falou ao coração: ‘Eu não estou questionando sobre a sua concordância ou não. Estou tratando da sua conformação à Imagem de Cristo’”.

Exatamente 8 meses depois, numa tarde, Donna se dirigiu ao seu marido e anunciou: “Eu sou católica!”. Depois disso, Alex Jones concluiu: “Este é definitivamente um trabalho do Santo Espírito! Quando me foi revelado que esta era a sua Igreja, não foi difícil tomar a minha decisão, embora soubesse que isso me custaria tudo”.

Para formalizar a sua conversão, a Congregação Maranatha vêm se comunicando com a Arquidiocese de Detroit há mais de um ano. A Arquidiocese está procedendo com cautela, pois há muito a ser estudado, como a situação dos casados pela segunda vez e as posições que serão adequadas para os ministros da Maranatha dentro da Igreja Católica. Por enquanto, há a possibilidade de o ex-pastor Alex Jones entrar para o seminário e se tornar padre ou diácono. Ex-pastores casados convertidos têm feito isso: Steve Anderson, de White Lake, era padre numa “igreja carismática episcopal” antes de se unir à Igreja Católica. Casado e pai de três jovens rapazes, ele recebeu permissão de Roma para se tornar padre e entrará no Seminário Maior do Sagrado Coração, para começar 3 anos de estudos antes de ser ordenado para a Diocese de Lansing.

O resultado da votação dos líderes da Congregação, a favor da conversão à Igreja Católica, foi motivo de festa para Linda, a sobrinha de Jones. Na ocasião, ela declarou: “Estou muito feliz! Mal posso esperar para entrar em Comunhão plena com a Igreja Católica, porque acredito realmente que ela é a Igreja que Cristo deixou aqui, e preciso ser parte dessa Igreja!”...